terça-feira, 24 de abril de 2012

Assistência de Enfermagem ao Paciente Cardiopata


Assistência de Enfermagem ao Paciente Cardiopata

Introdução

Ao abordarmos um paciente cardiopata, devemos perguntar o paciente sobre sintomas como, dispnéia, dor torácica, palpitações, edema nos pés e tornozelos os quais sugerem a possibilidade de uma cardiopatia.  Importante também questionarmos Também questionamos o paciente acerca de membros da família que tiveram cardiopatias e enfermidades afins e sobre o paciente manifestar alguma outra doença que afete o sistema cardiovascular, como diabetes mellitus, hipertensão arterial. Neste momento é primordial o questionamento dos hábitos de vida deste paciente como o uso do tabaco, do álcool, sedentarismo, obesidade etc.

Após a anamnese é necessário a realização do exame físico completo desse paciente, objetivando encontrar sinais e sintomas indicativos de doença cardíaca. Alguns pontos são de extrema importância durante essa avaliação, como por exemplo:

Ao avaliarmos a coloração da pele, devemos observar se esta recebe uma quantidade adequada de oxigênio e nutrientes, sua coloração não deve estar pálida ou cianótica, pois estes sinais indicam uma anemia ou uma dificuldade circulatória, que pode ser proveniente de uma doença cardíaca.

Durante a avaliação das veias do pescoço, devemos estar atento ao ingurgitamento ou ausência de enchimento capilar, pois estas estão conectadas diretamente ao átrio direito do coração e fornecem uma indicação sobre o volume e a pressão do sangue que está entrando no lado direito do coração.

Ao realizarmos a ausculta pulmonar, buscamos verificar se os sons estão normais, pois a ocorrência de sons anormais pode indicar a presença de líquido nos pulmões decorrente de uma insuficiência cardíaca.

Outro ponto importante é a ausculta cardíaca, pois anormalidades das válvulas e de estruturas cardíacas causam um fluxo sanguíneo turbulento, dando origem aos sons característicos denominados sopros. Em geral, o fluxo sanguíneo turbulento ocorre quando o sangue passa por válvulas estenosadas ou insuficientes.

Sinais e sintomas da insuficiência cardíaca


·         Edema periférico,
·         Veias do pescoço distendidas
·         Anorexia
·         Distensão abdominal
·         Náuseas
·         Nictúria - é a eliminação de volume aumentado de urina durante a noite.
·         Dispnéia grave
·         Tosse produtiva ou espumosa
·         Dispnéia paroxística noturna
·         Ansiedade intensa
·         Agitação
·         Confusão
·         Astenia grave - sensação de cansaço generalizado e falta de energia, e afeta a capacidade de realizar as tarefas mais simples.
·         Fadiga intensa
·         Oliguria - redução do volume urinário para um valor abaixo de 400 mL em 24 horas.
·         Taquicardia
·         Angor transitório - Angústia profunda com algidez dos membros.

Possíveis Diagnósticos de Enfermagem do Paciente Cardiopata

·         Padrão respiratório ineficaz relacionado a
·         Troca gasosa comprometida relacionada a edema alveolar decorrente das pressões ventriculares elevadas
·         Dor relacionada a um desequilíbrio no suprimento e demanda de O2;
·         Ansiedade ligada à dor torácica, medo da morte, ambiente ameaçador;
·         Débito cardíaco diminuído relacionado à contratilidade comprometida;
·         Intolerância à atividade ligada à oxigenação insulficiente para realizar as AVDs, perda do condicionamento físico pelo repouso no leito;
·         Risco de lesão relacionada à dissolução dos coágulos protetores;
·         Perfusão tecidual alterada relacionada ao infarto;
·         Ineficiências de como lidar com a auto-estima, ruptura do padrão sono-repouso, falta de sistema de apoio significativo e perda de controle.

Intervenções de Enfermagem ao Paciente

Manter débito cardíaco adequado

·         Repouso físico e emocional para reduzir o trabalho cardíaco e as necessidades de oxigênio.
·         Posicionar em semi-Fowler ou Fowler-alto para facilitar o retorno venoso
·         Evitar manobras de valsava
·         Avaliar regularmente sinais vitais, parâmetros hemodinâmicos, nível de consciência, sons cardíacos
·         Monitorizar para verificação de arritmias
·         Observar sinais e sintomas da diminuição da perfusão tecidual periférica: pele fria, palidez facial, enchimento capilar retardado
·         Administrar terapêutica prescrita e avaliar a resposta quanto ao alívio de sintomas

Melhorar a oxigenação

·         Administrar oxigênio para reduzir dispnéia e fadiga
·         Posicionar em semi-Fowler ou Fowler-alto para facilitar a respiração e aliviar a congestão pulmonar 
·         Monitorizar freqüência respiratória, profundidade e facilidades respiratórias
·         Promover mudança de decúbito
·         Estimular os exercícios freqüentes de respiração profunda
·         Proporcionar refeições fracionadas e em pouca quantidade

Restabelecer equilíbrio hídrico

·         Administrar diuréticos
·         Avaliar diariamente o peso
·         Avaliar sinais de hipocalcemia: astenia, mal-estar e câimbras
·         Administrar potássio
·         Estar atento aos potenciais problemas dos diuréticos
·         Observar sinais de distensão da bexiga no idoso com hiperplasia da próstata
·         Proporcionar uma dieta hipocalórica e hipossódica fracionada e restringir os líquidos

Melhorar a tolerância à atividade

·         Aumentar gradualmente a atividade
·         Auxiliar o paciente nas atividades da vida diária.
·         Observar possíveis dores pré-cordiais durante e após as atividades
·         Avaliar sinais vitais, sintomas e resposta comportamental na execução de atividades que requerem maior esforço físico.
·         Planear períodos de repouso e equilibrá-los com a atividade para diminuir as necessidades do miocárdio
·         Encorajar ao auto-cuidado quando tolerado
·         Proporcionar um ambiente calmo para sono e repouso
·         Administrar sedativos para aliviar a insônia e agitação
·         Vigiar a eliminação intestinal para ver se há constipação e administrar emolientes se necessário
Controlar a ansiedade
·         Permitir ao doente que exteriorize os seus sentimentos
·         Incentivar e identificar a força de motivação e vontade
·         Administrar ansiolíticos

Manutenção da integridade cutânea

·         Manter membros inferiores ligeiramente elevados
·         Realizar mudança de decúbito freqüentemente
·         Reduzir ao mínimo os pontos de pressão e tensão
·         Avaliar a existência de zonas de pressão e massagear para ativar a circulação
·         Avaliar diariamente a integridade da pele
·         Higienizar a pele suavemente e aplicar loção hidratante para reduzir soluções de continuidade

Ensino ao doente

·         Desmistificar o conceito de insuficiente
·         Explicar os sintomas de recidiva
·         Aumento de peso
·         Edema periférico
·         Tosse persistente
·         Cansaço
·         Perda de apetite
·         Nicturia
·         Tomar a terapêutica prescrita e ter em atenção os seus efeitos colaterais
·         Pesar diariamente
·         Planejar o reinício das atividades
·         Aumentar a marcha e outras atividades progressivamente
·         Alternar o exercício com o repouso
·         Evitar ultrapassar o nível de tolerância
·         Evitar excesso de alimentos e bebidas
·         Evitar temperaturas extrema

Conclusão

A assistência de enfermagem ao paciente cardiopata deve ser sempre seguida de um exame físico e histórico completo, pois assim poderemos determinar as ações de enfermagem que deverão ser realizadas com este paciente. Outro aspecto importante é a inclusão da família no tratamento deste paciente, pois os hábitos alimentares, o uso correto dos medicamentos e a atividade física são fundamentais para o sucesso do tratamento e da qualidade de vida deste paciente.



Enfº Amarildo de Souza Cunha
Especializando em Terapia Intensiva

5 comentários:

  1. Sou academica de enfermagem e achei muito esclarecedor as informações postadas acima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado.
      Fique a vontade em participar do blog.
      Um abraço.

      Excluir
  2. Amarildo,
    Quero q saiba q sou muito grato pelo material exposto por você no seu blog...são pessoas como vc que fazem da enfermagem uma profissão de respeito...me ajudou no meu estudo de caso...serei sempre grato a vc...abraços de um amigo e futuro enfermeiro.
    Vanderson de Campos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
  3. Obrigado Vanderson Campos, pelas sábias palavras de incentivo. Boa sorte na profissão.

    ResponderExcluir