quinta-feira, 26 de abril de 2012

Assistência de Enfermagem ao Paciente com Insuficiência Renal Crônica



Assistência de Enfermagem ao Paciente com Insuficiência Renal Crônica

Introdução

A Insuficiência Renal Crónica (IRC) é uma perda gradual, progressiva e irreversível da função renal, que termina fatalmente em uremia (um excesso de ureia e outros produtos de desgaste nitrogenados no sangue) indicando a necessidade de uma terapêutica denominada hemodiálise.

A hemodiálise consiste na filtração do sangue, através de uma membrana semipermeável, onde ocorre a eliminação dos excretos metabólicos do sangue. O sangue sai do corpo do paciente, passa para o dialisador, onde é depurado e em seguida retorna ao paciente. O que garante a diálise é a diferença dos gradientes de concentração entre a solução dialisadora e o sangue, pois algumas substâncias da solução dialisadora passa para o sangue e os metabólitos da sangue passa para a solução.

As doenças que predispõem a IRC são Diabetes Mellitus (DM), Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) e as repetidas infecções urinárias.

A DM é uma doença metabólica caracterizada por níveis elevados de glicose no sangue (hiperglicemia), decorrentes de defeitos na secreção e/ou na ação da insulina, que é um hormônio produzido pelo pâncreas, que tem a função de controlar o nível de glicose no sangue, controlando a produção armazenamento de glicose

A IRC acarreta vários problemas à vida do paciente, de seus familiares e da comunidade, por ser uma doença com tratamento difícil e contínuo o paciente sofre alterações psicológicas, físicas e socioeconômica, uma vez que esta enfermidade que altera o cotidiano do paciente que a vivencia.

Manifestações clínicas do paciente renal crônico

O paciente com IRC pode apresentar: anorexia, náuseas, vômitos, distúrbio hidroeletrolítico (geralmente retenção de sais e água, mas pode ser por perda de sódio com desidratação), hipertensão, edema pulmonar, derrames pleurais, fadiga, distúrbios do sono, cefaléia, letargia, irritabilidade muscular, neuropatia periférica, convulsões, coma, intolerância à glicose, diminuição da libido, impotência, amenorréia, acidose, hipocalemia, hipermagnesemia, hipocalcemia, palidez, hiperpigmentação, prurido, equimose, anemia, defeitos na qualidade das plaquetas, tendências aumentadas de sangramento, alterações da personalidade e do comportamento, alterações dos processos cognitivos, edema.

Papel do Enfermeiro

O enfermeiro tem um papel importantíssimo no cuidado do paciente renal crônico, e um dos pontos chave é o incentivo ao autocuidado, de modo a facilitar a cooperação e adesão do paciente ao tratamento, além de estimulá-lo a enfrentar as mudanças cotidianas e a alcançar o seu bem-estar.

E a partir desse princípio temos como ferramenta de trabalho Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE), que é um dos meios que o enfermeiro aplica os seus conhecimentos para a assistência ao paciente e define o seu papel. Alem de colaborar para a organização, o direcionamento do trabalho do enfermeiro e para um melhor relacionamento deste com o paciente, uma vez que a aplicação da SAE nos aproxima deste paciente e, portanto nos proporciona um cuidado humanizado, individual, coerente, sistematizado e de qualidade.

Estudos apontam que a assistência de enfermagem ao paciente com IRC deve ter como foco principal a orientação/educação, pois esta ocorre de forma permanente nos centros de hemodiálise a cada encontro no momento das sessões de diálise. Importante ressaltar que os desafios nesse processo educacional deve estar voltado para a adesão ao tratamento, pela indispensável mudança nos hábitos de vida deste paciente.

Possíveis Diagnósticos de Enfermagem do Paciente com IRC

·         Eliminação urinária prejudicada
·         Dor crônica
·         Padrão de sono prejudicado
·         Intolerância a atividade
·         Risco para mobilidade física prejudicada
·         Estilo de vida sedentário
·         Excesso de volume de líquido, devido ao processo patológico.
·         Nutrição alterada (inferior às exigências corporais), devida a anorexia, náuseas, vômitos e dieta restritiva.
·         Integridade da pele prejudicada, devido ao congelamento urémico e alterações nas glândulas oleosas e sudoríparas.
·         Constipação devido à restrição de líquidos e ingestão de agentes fixadores de fosfato.
·         Risco de lesão ao deambular, devido ao potencial de fraturas e câimbras musculares, relacionado à deficiência de cálcio.
·         Não-aceitação do esquema terapêutico, devida às restrições impostas pela IRC e seu tratamento.

Intervenções de Enfermagem 

·         Manter o equilíbrio hidroelectrolítico.
·         Manter o estado nutricional adequado.
·         Manter a integridade cutânea.
·         Manter a pele limpa e hidratada
·         Aplicar pomadas ou cremes para o conforto e para aliviar o prurido.
·         Administrar medicamentos para o alívio do prurido, quando indicado.
·         Evitar a constipação.
·         Estimular dieta rica em fibras lembrando-se do teor de potássio de algumas frutas e vegetais.
·         Estimular a atividade conforme a tolerância.
·         Administrar analgésicos conforme prescrito,
·         Proporcionar massagem para as caimbras musculares intensas.
·         Evitar a imobilização porque ela aumenta a desmineralização óssea.
·         Administrar medicamentos conforme prescrito.
·         Aumentar a compreensão e a aceitação do esquema de tratamento.
·         Preparar o paciente para diálise ou transplante renal.
·         Oferecer esperança de acordo com a realidade.
·         Avaliar o conhecimento do paciente a respeito do esquema terapêutico, bem como as complicações e temores.
·         Explorar alternativas que possam reduzir ou eliminar os efeitos colaterais do tratamento.
·         Ajustar o esquema de tal modo que se possa conseguir o repouso após a diálise.
·         Oferecer pequenas refeições a cada 3 horas com a finalidade de reduzir as náuseas e facilitar a administração de medicamentos.
·         Estimular o reforço para o sistema de apoio social e mecanismos de adaptação para diminuir o impacto do stress da doença renal crônica.
·         Fornecer indicações de assistência social e apoio da psicologia.
·         Discutir as opções da psicoterapia de apoio para a depressão.
·         Encorajar e possibilitar que o paciente tome certas decisões.

Conclusão

A assistência de enfermagem com fundamento na SAE é um instrumento científico que orienta a prática do enfermeiro e de toda sua equipe, sendo de extrema importância para que o cuidado do paciente renal crônico, pois esta possibilita ao profissional enfermeiro a identificação dos problemas, formulação dos diagnósticos de enfermagem de forma precisa, o planejamento adequado das intervenções de enfermagem e avaliação diária das intervenções desempenhadas, possibilitando uma recuperação e reabilitação adequada do paciente com IRC.

Este instrumento de trabalho, ainda que negligenciado por muitos, facilita o trabalho do enfermeiro nos centros de terapia renal substitutivas, pois fornece ao profissional um respaldo das ações desenvolvidas, uma proximidade com os pacientes e seus familiares, com a equipe técnica de enfermagem que utiliza as prescrições de enfermagem como um roteiro para a prestação de um cuidado individualizado, humanizado e de qualidade, além de estreitar o laço profissional ou seja a comunicação com os demais membros da equipe multidisciplinar.


Referências bibliográficas

·         RAMOS, Islane Costa; CHAGAS, Natália Rocha; FREITAS, Maria Célia de; MONTEIRO, Ana Ruth Macêdo; LEITE, Ana Claudia de Souza. A teoria de orem e o cuidado a paciente renal crônico. Revista de Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, abril/junho 2007.

·         OLIVEIRA, Sandra Mara de; RIBEIRO, Rita de Cássia Helú Mendonça; RIBEIRO, Daniele Fávaro; LIMA, Lidmara Copoono Erdosi Quintino de; PINTO, Maria Helena; POLLETI, Nadia Antonia Aparecida. Elaboração de um instrumento da assistência de enfermagem na unidade de hemodiálise. Acta Paul Enferm 2008 -21. Edição especial.

·         MASCARENHAS, Nildo Batista; PEREIRA, Álvaro; SILVA, Rudval Souza da; SILVA, Mary Gomes da. Sistematização da Assistência de Enfermagem ao portador de Diabetes Mellitus e Insuficiência Renal Crônica. Revista Brasileira de Enfermagem. Jan/Fev 2011.

·         North American Nursing Association. Diagnósticos de enfermagem da NANDA: definições e classificações 2009-2011. Porto Alegre: Artmed, 2010.

·         JOHNSON, Marion et al. Diagnósticos, Resultados e Intervenções de Enfermagem. Ligações entre NANDA, NOC E NIC. Tradução de Ana Thorell. Porto Alegre: Artmed, 2005.

Por

·         CUNHA, Amarildo de Souza. Enfermeiro graduado pela Faculdade Pitágoras de Ipatinga/MG. Pós graduando em Terapia Intensiva pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais.



5 comentários:

  1. O paciente com IRC pode apresentar: anorexia, náuseas, vômitos, distúrbio hidroeletrolítico (geralmente retenção de sais e água, mas pode ser por perda de sódio com desidratação), hipertensão, edema pulmonar, derrames pleurais, fadiga, distúrbios do sono, cefaléia, letargia, irritabilidade muscular, neuropatia periférica, convulsões, coma, intolerância à glicose, diminuição da libido, impotência, amenorréia, acidose, hipocalemia, hipermagnesemia, hipocalcemia, palidez, hiperpigmentação, prurido, equimose, anemia, defeitos na qualidade das plaquetas, tendências aumentadas de sangramento, alterações da personalidade e do comportamento, alterações dos processos cognitivos, edema.
    terminologia

    ResponderExcluir
  2. Parabens ao teu site, os academicos de Enfermagem da faculdade Doctum de Teófilo Otoni gosta muito de visitar aqui... Ajuda todos os academicos e os profissionais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Jhow Hilland.
      Tenho também publicações no HM Doctors, sobre gestão na área da saúde. Acesse também. http://www.hmdoctors.com/index.php/2013/10/o-planejamento-estrategico-no-setor-da-saude/#.U3OMmfldW-M

      Excluir